Conteúdo não disponível

Desculpe, este conteúdo não está disponível em sua região. Saiba mais sobre o fascinante mundo do Discovery aqui

Os psicopatas mais famosos do cinema

Investigação
Os psicopatas mais famosos do cinema
Investigação
Os psicopatas mais famosos do cinema
Divulgação

Há filmes em que o mocinho acaba ficando em segundo plano e o vilão rouba a cena. Relembre alguns psicopatas que fizeram história no cinema. 

Tem gente que não suporta o noticiário policial, mas é capaz de cancelar um compromisso para não perder um bom thriller na TV ou no cinema, com um irresistível psicopata como protagonista.

Hannibal Lecter

São quatro livros dedicados ao personagem Hannibal Lecter, cinco adaptações para o cinema e uma série de TV.

O Dr. Hannibal Lecter é um dos assassinos em série mais queridos pelos fanáticos do gênero. O maior responsável por isso é Anthony Hopkins por sua interpretação excelente, que lhe valeu um Oscar, deste psiquiatra antropófago, de gosto refinado, obsessivo e com um QI muito acima da média. 

O personagem foi criado pelo escritor Thomas Harris em “O Dragão Vermelho” (1981) e seguiu seu curso em “O Silêncio dos Inocentes” (1988),"Hannibal" (1999) e, por último, em “Hannibal, a Origem do Mal” (2006).

Na reedição de “O Silêncio dos Inocentes”, sua história mais popular, Harris contou que se inspirou no “Dr. Salazar”, um médico que foi condenado a 20 anos de prisão por matar seu parceiro homossexual. Ele o conheceu numa entrevista e ficou impressionado por seu comportamento refinado.

Frase: “As cicatrizes nos ensinam que o passado foi real.”

Norman Bates

Como esquecer da cena em branco e preto onde uma mulher é assassinada a facadas no chuveiro, enquanto o sangue escorre pela banheira?

O autor era Norman Bates, um psicopata com transtorno de personalidade múltipla que assume o papel de sua mãe abusiva, a quem ele matou, para cometer os crimes. O personagem foi criado por Robert Bloch no romance “Psicose”, transformado em filme em 1960 por Alfred Hitchcock e que virou um clássico do suspense e terror.

A figura foi inspirada no tenebroso Ed Gein, um norte-americano acusado de vários crimes, que passou o resto de sua vida trancado em um hospital psiquiátrico. Ele também desenterrava mulheres para utilizar sua pele para forrar móveis, seus crânios como pratos de sopa e seus lábios como adorno de colares.

Frase: “A melhor amiga de um homem é sua mãe.”

Alex Delarge

O personagem vestido de branco, caracterizado por Malcolm McDowell em “Laranja Mecânica”, causa inúmeras reflexões. 

Stanley Kubrick se propôs a tal missão em cada um de seus filmes. Esta história é baseada em um livro de Anthony Burgess e o toque genial foi expressar a crueldade como uma experiência estética.

Alex, junto com três amigos, rouba, mata, violenta, sem qualquer culpa ou remorso. Inteligente que é, sabe que está mal, mas é um psicopata e não consegue parar. Seu método é a violência extrema, porém a sociedade futurística e distópica em que vive lhe paga na mesma moeda.

Frase: “O mundo não pode estar cheio de pessoas como eu.”

Patrick Bateman

Obsessivo ao extremo, ele se antecipa ao modelo atual de metrossexual e vive uma vida superficialmente perfeita, graças ao cuidado intensivo com o corpo, o uso de roupas caras e o acesso às tecnologias mais modernas. Ele é culto e bem-sucedido nos negócios, mas é capaz de perder o controle porque um colega tem um cartão de visita melhor que o seu.

De novo, o personagem nasceu das páginas de um livro homônimo de 1991, no qual o autor Bret Easton Ellis narra na primeira pessoa a loucura e o vazio existencial que o homem moderno pode chegar a sentir.

Frase: “Não toque em meu relógio!”, para a mulher com quem estava fazendo sexo.

Coringa

A construção do mítico inimigo do Batman feita por Heath Ledger não só mereceu um Oscar de ator coadjuvante, mas também colocou o Coringa no topo dos loucos como poucos, distanciando-o das atuações farsescas nas adaptações anteriores para o cinema.

O Coringa é um sociopata de origem incerta que leva uma vida criminal com objetivo de gerar o caos. E encontra no Homem Morcego o contrapeso para seu equilíbrio. O herói de Gothan City é o paradigma da ordem.

Ele surgiu pela a primeira vez em “Batman Primeira Edição” (1940), editado pela DC Comics, uma criação de Jerry Robinson, Bill Finger e Bob Kane.

Frase: “Sou um homem de gostos simples. Eu gosto de dinamite, pólvora e gasolina. Sabe o que estas coisas têm em comum? São baratas.”

Comentários Ver mais comentários